As redes sociais são um fenômeno, e isso, os movimentos, protestos e manifestações populares puderam comprovar em 2013, foi por meio de redes como Facebook e Twitter que as manifestações regaram um jardim de insatisfações na população que foi às ruas para manifestar.

Se as redes sociais oferecem mais do que está aos nossos olhos, elas podem ainda dar voz a população que pouco é ouvida, algumas empresas já sabem disso e fazem parte da rede para que o cliente ou consumidor sinta-se mais próximo da marca ou da empresa. Mas, nessas últimas semanas as redes sociais se mostraram o meio de comunicação mais eficiente e mais utilizado para a divulgação de protestos contra o governo por um país melhor.

É por meio dessas redes que as pessoas estão participando…

…elas são os principais canais de comunicação e incentivo para que os atos continuem além de expor tudo aquilo que está acontecendo.

A internet é o principal meio de comunicação dessas pessoas, foi através da internet que os atos iniciaram, foram divulgados e ganharam força e, é através da internet que outras pessoas estão se informando para aumentar o coro nas ruas e nas redes.

De uma coisa é possível ter certeza, os dias vividos nesse período já entraram para os livros de história, e aliado as veracidades dessas temos estão aí as redes sociais para nos mostrar tudo. O fenômeno das redes sociais para as manifestações populares provaram que a internet é o meio de comunicação mais rápido que temos, e pode ser eficiente.

Os palavras mais utilizadas foram usados com as hashtags para ajudar na comunicação entre essas pessoas: #Protesto, #OGiganteAcordou, #VemPraRua” e #AcordaBrasil foram os temas mais utilizados, foram MILHÕES de pessoas.

A internet teve papel fundamental na mobilização da massa que foi às ruas e os posts nas redes sociais davam apoio quase que total, exceto, quando as depredações e o vandalismo começaram a ser registrados.

Outros movimentos vieram, e a única certeza que nos temos é que as redes sociais têm força para movimentar o mundo.

Categorias: Blog

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *